Os Padrões e uma agência digital

Os Padrões e uma agência digital

Tudo na vida segue um padrão. Podemos usar essa frase pra entender o sentido de um dos significados de padrão qualquer objeto que serve de modelo para a elaboração de outro, se você começar a reparar a sua volta o padrão está mais intrínseco na sua vida do que você pensa. Nosso comportamento segue uma linha clara de observação, estamos sempre copiando os padrões de ações dos outros modelos por aí.

Quando você assiste um canal do youtube que possui um padrão específico de conteúdo/vinheta/apresentação como por exemplo, já vi várias pessoas repetindo o muito bacana muito legal do Ralf, isso acontece porque estamos sempre reconhecendo os padrões de comportamento das pessoas e tomando para nós, sim, copiando os padrões. É muito comum também vermos pessoas assumirem padrões de fala de seus professores ou palestrantes que admiram muito ou que assistem bastante. Isso nada mais é do que o Reconhecimento de Padrões, nós reconhecemos os padrões de ações e conseguimos imitar para unirmos aos nossos e criarmos assim um novo modelo a partir deste outro modelo.

Nessa matéria aqui seguimos um padrão de preferência até para ler. Temos preferência até pela ordem em que as palavras podem estar:

De acordo com um estudo da Queen Mary University, de Londres, as pessoas seguem um padrão ao escolher o ordenamento das palavras, dando mais destaque, por exemplo, aos adjetivos do que aos numerais.

A pesquisa sugere que exista uma preferência universal até na escolha das palavras, se o mesmo teste der o mesmo resultado com russos ou italianos, por exemplo, reforçará a ideia de que possuímos um padrão universal para a construção linguística. Note o quanto o padrão está relacionado com nossa vida.

E o que isso tem a ver com agência digital?

Eu poderia passar horas escrevendo milhões de exemplos sobre o padrão, mas isso iria deixar a postagem gigante e fugir um pouco da ideia inicial, então vamos ao que interessa.

Muitas empresas pequenas se limitam ao conhecimento de um ou dois funcionários, o que acaba resultando na construção de padrões específicos para a preferência daqueles profissionais, mesmo que o mercado nos indique outras formas de trabalho. Vamos usar o exemplo do Designer, a empresa possui um designer que utiliza o Corel Draw como ferramenta principal de desenho vetorial, logo todas as peças criativas serão feitas nele, no entanto, por sua falta de conhecimento ele acaba ignorando o poder de outras ferramentas e o uso específico de cada uma, assim o cara acaba querendo tratar uma foto com o mesmo programa por ter uma resistência em avançar para o Photoshop por exemplo.

Quando a empresa contrata um novo Designer e esse possui um conhecimento com o Illustrator a empresa quer exigir que ele migre para o Corel Draw porque seguem um Padrão de criação artística e todos os arquivos estão nesta ferramenta. O novo profissional logo irá reclamar, ele precisa trabalhar com o que tem conhecimento e não uma outra ferramenta para apenas a felicidade do chefe.

O problema começa quando o segundo profissional começa a visualizar o padrão como algo ruim e pensa que gostaria de trabalhar em um ambiente que esse negócio de padrão não exista. O máximo que irá acontecer é os dois coexistirem no mesmo espaço em uma briguinha besta de qual ferramenta será melhor utilizada e isso só prejudicará o resultado.

Uma empresa precisa estar preparada para qualquer problema e um bom profissional sabe que precisa aprender sobre outras ferramentas, apenas como uma segurança caso um dia precise mexer mesmo que minimamente. O primeiro profissional acaba querendo padronizar com uma única ferramenta e o segundo profissional pensa que sem o padrão ele poderia utilizar apenas o Illustrator, o que o segundo profissional não percebe é que ele está seguindo o mesmo conceito que o primeiro, querendo construir um padrão para apenas uma ferramenta.

Vamos então simplificar as coisas:

O correto seria a adaptação, a adaptação de todos os profissionais a um padrão mais amplo que permita com que todos os designers, utilizando diversas ferramentas diferentes, possam compartilhar experiências e continuar entregando o bom resultado. Sendo assim o conhecimento, mesmo que mínimo, das ferramentas do mercado é necessário, o profissional da nova era precisa estar em constante evolução e treinamento o conhecimento não possui mais os limites do especialista.

Claro que o padrão também pode ser criado por necessidades, como por exemplo os valores das ferramentas, porém isso pode ser pensando e discutido entre todos para uma ótima decisão. Tudo em nome de uma bom ambiente de trabalho e ótimos resultados.

Conclusão

O padrão é necessário porém deve ser ampliado para que faça sentido para todos os profissionais, afinal o profissional não precisa se adaptar a sua empresa, necessariamente, mas a empresa precisa se adaptar as exigências do mercado e quanto mais conhecimento melhor.

Se gostou do que leu aqui, curta, compartilhe e comente o que acha. Até a próxima!

Carlos Hallan - 14, Outubro de 2016


(81) 3048-4216
996711619 | 99743-4132

Rua Bartolomeu de Medeiros, 104 – Guadalupe Olinda/PE